Seleccione área geográfica  
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Notícias
cabecera Estela Picon

Capacidades diferentes que promovem um melhor serviço

Estela Picón
Gestora de Relações Laborais, ISS Ibéria

Da mesma forma que não existem duas pessoas com a mesma impressão digital, também não existem dois empregados iguais. Cada pessoa conta com diferentes capacidades, e isto, na altura de formar equipas, temos de vê-lo como uma oportunidade para crescer. Crescer na diversidade, mas também na qualidade de serviço. Porque se apostamos fielmente em equipas heterogéneas podemos ganhar em solidez e oferecer o melhor serviço. 

Neste sentido, um estudo realizado pelo Grupo ISS mostra que liderar equipas diversas reforça as competências dos responsáveis no que se refere à comunicação, estabelecimento de relações e desenvolvimento do talento. Isto deve-se a que a diversidade obriga os líderes a adaptarem-se continuamente em função da composição das equipas, as competências de cada membro e a sua dinâmica social e profissional. Falamos de diversidade no seu sentido mais amplo: diversidade de língua, educação, género, idade, cultura e religião, e também de capacidades. Além disso, a variedade não impacta somente na liderança, mas também enriquece os próprios colegas que têm a oportunidade de aprender uns com os outros.

Porém, para que realmente funcione a diversidade, é essencial desenvolver uma cultura inclusiva na qual se cultive o respeito, a equidade e o reconhecimento positivo das diferenças. No caso concreto da ISS como empresa integradora, a inclusão está presente desde o primeiro momento, impregnando o seu ADN e enriquecendo-nos como empresa e como pessoas.

Desde o início da ISS Facility Services em España e Portugal, tínhamos clara a nossa capacidade de influenciar e colaborar na integração de pessoas em risco de exclusão. De facto, atualmente dispomos de seis centros especiais de emprego, que funcionam de forma autónoma com pessoal técnico qualificado cujo objetivo é a integração de pessoas com incapacidade nas empresas comuns. Por isso, em muitas das nossas equipas contamos com pessoas de capacidades diferentes.

A gestão inclusiva do talento, tal e qual como a conhecemos, está vinculada à oportunidade através da participação. Quer dizer que, cada pessoa da organização tem as suas próprias fortalezas (e fraquezas) e tem o potencial de criar valor acrescentado para a organização.

A chave para conseguir equipas diversas está em realizar uma seleção correta e proporcionar a formação necessária. Liderar através do propósito, para que cada pessoa que faz parte da empresa conheça os seus objetivos e a forma de alinhá-los com os do cliente. Assim, todas as pessoas, que venham de outro países, que pertencem a grupos em risco de exclusão ou com alguma incapacidade, podem partilhar a sua particular forma de fazer as coisas, os seus conhecimentos, a sua cultura de trabalho do dia a dia, enriquecendo os seus companheiros e melhorando o serviço que oferecem.

Tudo isto poderia levar a pensar, e que ganha a empresa com tudo isto? Diariamente as nossas equipas interagem com os diferentes grupos de interesse, muito especialmente com clientes, fornecedores, associações empresariais setoriais e, claro, a comunidade onde operamos.

São essas mesmas pessoas as que fazem a diferença na ISS e, por e para eles, devemos proporcionar-lhes um ambiente no qual sejam valorizados e reconhecidos pelas suas capacidades e não pelas suas limitações. Só assim podemos tornarmo-nos na melhor organização de serviços do mundo.