Seleccione área geográfica  
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Notícias
Jordi Cochs - Digitalizar -Blog

Digitalizar para humanizar como processo de inovação

Jordi Cochs, Diretor Grandes Contas Ibéria

• A digitalização do processo produtivo supõe uma redução de custos que podem ser reinvestidos na melhoria do ambiente laboral, um dos aspetos considerados mais importantes para os trabalhadores

• O grande valor que tem um bom ambiente de trabalho deu lugar à evolução do Facility Management para o Experience Management 

Estamos imersos na era da digitalização, uma inovação que permitiu às empresas serem mais eficientes e poder libertar recursos. Perante esta situação, a pergunta que surge é “o que fazer com estes recursos libertados? A redução do preço final ao cliente suporia uma diferença mínima que mascara a verdadeira oportunidade de negócio: a reinvestimento na própria empresa e, mais concretamente, no Facility Management.

Para compreender este argumento é necessário analisar os estudos sobre as tendências dos ambientes de trabalho, que destacam que 70% dos millennials consideram que o local de trabalho é muito importante, segundo a Accenture, o que 88% dos jovens que procuram trabalho priorizam experiências e comunidade (Landrum, 2018).

Estes dados demostram que as novas gerações consideram substancial trabalhar em espaços colaborativos e escritórios sensíveis e amigos de ambiente. Perante esta situação, se como empresa não conseguimos um bom ambiente laboral nos nossos espaços de trabalho, as novas gerações irão recusar desenvolver a sua trajetória profissional na nossa empresa e irão procurar outro emprego. E esse é o principal receio das novas gerações de diretivos: reter talento.

É assim que nasce o Experience Management, quer dizer, a união das novas tecnologias (Big Data e o IoT), de processos de digitalização e do propósito e vínculo com os empregados. E, agora, como se pode aplicar? Uma primeira ideia pode ser a adaptação de sensores de movimento em tempo real para conhecer que fila há na cafeteria ou as salas que, estão ocupadas, mas que na realidade estão vazias. Outra opção é a digitalização da assinatura eletrónica, que permite aos nossos empregados assinar o seu contrato a partir de qualquer ponto do planeta e evita transferências desnecessárias. O objetivo final é facilitar os processos laborais do trabalhador em fatores considerados chaves para ele, o qual irá supor um aumento da sua felicidade e, assim da sua produtividade.  

E resumo:

  1. A digitalização como inovação vai tornar mais eficiente o nosso setor libertando recursos.
  2. Vivemos numa era onde os edifícios e a atmosfera que se cria neles são uma ferramenta para reter talento.
  3. Se relacionamos uma coisa com a outra, se “Digitalizamos para nos Humanizar”, podemos nos converter numa peça fundamental e estratégica dentro das nossas organizações.