Seleccione área geográfica  
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Notícias
presentacion-esade-web

A política de responsabilidade social de uma empresa aumenta a motivação e a produtividade das suas equipas

O estudo analisa os casos práticos e a experiência de Calidad Pascual, ISS Ibéria, BASF e Henkel 

A política de responsabilidade social das empresas aumenta a motivação, a produtividade e o sentimento de pertença das suas equipas, reforça a atração e retenção do talento, uma vez que melhora o clima laboral. Estas são as três principais conclusões do estudo “A influência da RSE na gestão de pessoas: boas práticas”, elaborado pelo Instituto de Inovação Social da ESADE em colaboração com a ISS Ibéria, que foi apresentado na semana passada no campus da ESADE de Madrid e Barcelona.

O relatório tem como objetivo estudar e divulgar o impacto das estratégias de responsabilidade social das organizações na sua gestão de pessoas, objetivo para o qual se analisou as medidas de harmonização e flexibilidade na Calidad Pascual, a integração de pessoas com incapacidade na ISS Ibéria, a experiência de voluntariado corporativo da BASF e as políticas de empresa saudável da Henkel em España. Estes quatro casos práticos revelam que a forma como ambas áreas da organização interagem, através de programas bidimensionais e com um modelo organizativo adequado, pode facilitar aos seus responsáveis a tomada de decisões, gerar novas iniciativas e a superação de obstáculos.

Para Ignasi Carreras, diretor dos programas de formação diretiva para ONG do Instituto de Inovação Social da ESADE e coautor do estudo: “As práticas de responsabilidade social desempenham um papel muito relevante e eficaz para alcançar o tão desejado compromisso do empregado com a empresa pela sua capacidade de oferecer um objetivo, de valorizar a ética corporativa e de oferecer um ambiente laboral à qual valha a pena pertencer. Em resumo, a RSE garante uma gestão responsável e efetiva de pessoas”.

Javier Urbiola, Presidente Executivo da ISS Ibéria, afirma que: “Numa empresa como a ISS, as pessoas são um ativo fundamental. Promovemos um ambiente de trabalho cooperativo, inovador e que facilite a inclusão de todo tipo de trabalhadores. As ações de responsabilidade social e a criação de oportunidades para todos é parte essencial da cultura e valores da empresa e por isso apostamos em empregos de qualidade para as pessoas com incapacidade intelectual ou de desenvolvimento. Atualmente cerca de 5% dos nossos colaboradores pertence ao coletivo de pessoas com incapacidade, mais de 1.500 pessoas.”

O Decálogo para a gestão responsável de pessoas

Em conclusão, os autores da “A influência da RSE na gestão de pessoas: boas práticas”, o professor e diretor dos programas de formação diretiva para ONG, Ignasi Carreras, e o investigador Carlos Cortés, ambos do Instituto de Inovação Social da ESADE, propõem um decálogo com as principais linhas de atuação para que uma empresa evolua até ao conceito de gestão responsável de pessoas e que atuem com eficácia e impacto:

1. Incorporar a gestão responsável de pessoas à estratégia global da empresa.
2. Impulsionar e consolidar um estilo de “liderança responsável”.
3. Saber gerar e manter viva uma cultura de responsabilidade.
4. Articular mecanismos efetivos de escuta e implicação dos grupos de interesse.
5. Saber criar valor acrescentado ao longo de toda a cadeia de gestão da empresa.
6. Facilitar a interação entre a RSE e a gestão de pessoas, e as restantes áreas.
7. Fixar objetivos e metas, a medio e a longo prazo, acompanhados de um sistema de métricas.
8. Aproveitar as vantagens da interação entre a RSE e a gestão de pessoas.
9. Definir uma agenda de gestão responsável de pessoas.
10. Integrar a RSE e a gestão de pessoas numa “gestão responsável de pessoas”.