Seleccione área geográfica  
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Global contacts

We operate in more than 50 countries around the world. If your country is not on the list, please refer to our global contacts.

View contacts
Notícias
cifmers

A externalização do Facility Management como modelo de êxito

A ISS e a Abertis apresentaram em conjunto a sua experiência na transição até à externalização dos serviços na última edição da CIFMers

Um ano mais, a ISS participou na nova edição de CIFMers, o Congresso Internacional de Facility Managers por excelência, realizado ontem 18 de setembro em Madrid.

 

O evento contou com inúmeros participantes de primeira linha entre os quais se encontravam Jordi Cochs, Diretor de Grandes Contas da ISS Ibéria, e Jose María Gómez, Diretor de Procurement e Serviços de Abertis.

 

A sua participação foi integrada no painel de conferências onde, conjuntamente, apresentaram a sua experiência sobre o processo de externalização do Facility Management desde a perspetiva quer do fornecedor quer do cliente.

 

Umas das questões levantadas como críticas na hora de dar o passo para a externalização do Facility Management, é a seleção do fornecedor adequado. Critérios como a credibilidade, a experiência, a acessibilidade, a capacidade internacional e, sobretudo, cuidar do futuro profissional das pessoas que seriam integradas no novo fornecedor foram os valorizados por Abertis e decisivos para escolher a ISS como partner. Assim, depois de 4 anos de trabalho em equipa de ambas as empresas, Abertis evoluiu de um modelo interno para um modelo de outsourcing, obtendo um balanço positivo e cumprindo os objetivos estratégicos marcados.

 

“A externalização das atividades que não são as principais do nosso negócio ajudou-nos a focarmo-nos no nosso core, explicava Jose María Gómez, “graças a isso podemos utilizar os nossos recursos de forma mais eficiente”.

 

Por outro lado, se bem que é certo que a externalização é uma realidade que vai mais além e que implica benefícios claros (flexibilidade, eficiência, inovação e crescimento profissional), “não existe uma única fórmula válida para todas as empresas”, concluía Jordi Cochs.